IFES Campus Ibatiba

O Núcleo de Estudos em Educação Ambiental é uma realização do IFES Campus Ibatiba com a parceria da Escola Estadual Maria Trindade de Oliveira

Reunião do dia 08/10/2012

Imagem fotografada no dia 08 de outubro de 2012 (Vale lembrar que nem todos os componentes puderam estar presentes).

Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo

Todas as ações do Núcleo de Estudos são feitas sob apoio da Fapes.

NEEA Ibatiba

Curta NEEA Ibatiba no FaceBook e saiba todas as ações e projetos que o grupo anda realizando!

Slide Título 5

Aqui você adiciona uma descrição do post em destaque.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Próximos congressos em Educação Ambiental

Eco Internacional Ambiental - 2013
De 16 a 22 de Setembro de 2013 - Bahia Costa Azul - Salvador/BA

Apresentação: A I Feira de Educação Ambiental ECO BAHIA 2013 será um evento de caráter essencialmente ambiental, social e cultural. Ela proporcionará à população a oportunidade de conhecer projetos, programas e ações desenvolvidos pela Secretaria da Prefeitura de salvador e Meio Ambiente e por vários segmentos da sociedade, como Organizações Governamentais, Não-Governamentais e as iniciativas privadas, que enfatizam a importância e a adoção de praticas de desenvolvimento sustentável.ECO BAHIA AMBIENTAL acontecerá nos dias 16 a 22 Setembro de 2013, com realização da Prefeitura Municipal de salvador estado CONDER em parceria com o Grupo Delfim (Feiras Delfim Marketing e Eventos Ltda). Será um marco para o município, que tem se esforçado no cuidado das suas reservas naturais e do seu meio-ambiente.Esta deve ser uma marca de todos os que buscam melhorias, e se conscientizam da necessidade de investimento na qualidade de vida e no fortalecimento do crescimento econômico, focado no desenvolvimento sustentável , através da melhoria da educação ambiental. 

http://www.multifeirascongressos.com.br/eco/2013/eco2013.html






7º Congresso Mundial de Educação Ambiental
De 09 a 12 de Julho de 2013 - Marrakech | Marrocos

Tema: Educação Ambiental em Cidades e Áreas Rurais.

De 2003 até hoje milhares de pessoas de todo o mundo já participaram do WEEC (World Environmental Education Congress). No próximo ano o evento acontecerá em Marrakech (Marrocos), nos dias 9 a 14 de junho de 2013. Como de costume, todas as questões relacionadas à educação ambiental serão o foco de atenção e de todos os participantes em geral, tais como acadêmicos, sociedade civil e institucionais. Pela primeira vez também o WEEC acontecerá em um país de cultura árabe-muçulmana e pela primeira vez um tema (a relação entre cidades e no campo, em busca de harmonia) estarão sujeitos a uma atenção grande e transversal a todas as áreas, sem deixar de fora, é claro, todas as outras questões. Os organizadores decidiram prorrogar as inscrições, o prazo será até 31 de dezembro de 2012.

Mais informações:  www.weec2013.org



terça-feira, 16 de outubro de 2012

Objetivos gerais e específicos


Objetivo Geral :
  O objetivo do Projeto PIC-JR NEEA é criar um núcleo de estudos em educação ambiental, como espaço de reflexão sobre teorias e práticas em Educação Ambiental, colaborando para fortalecer o movimento de construção desse campo de conhecimento e de atividades de educação ambiental.


Objetivos Específicos :

  • Criar um núcleo de estudos em educação ambiental constituído por professores e alunos bolsistas do Ifes – Campus Ibatiba e da EEEFM “Prof.ª Maria Trindade de Oliveira”; 
  • Promover estudos e pesquisas dos documentos que são marcos conceitual e legal da educação ambiental; 
  • Investigar a prática de educação ambiental nas atividades acadêmicas das instituições envolvidas no projeto; 
  • Desenvolver projetos e ações de sensibilização para preservação dos recursos naturais. 

Produtos esperados:

  Pode-se dizer que com a realização desse projeto de pesquisa e ao mesmo tempo extensão, será possível observar como a educação ambiental pode desenvolver a atitude dos alunos e dos professores no sentido de buscarem novas condutas com relação ao meio ambiente.

  Será possível investigar como as práticas pedagógicas do NEEA podem desenvolver o ensino contextualizado e a interdisciplinaridade.

  Será possível contribuir com a construção de um documento importante que possa servir como um elemento norteador de práticas docentes no desenvolvimento da educação ambiental no município e região.

  Com a realização deste projeto pensa-se em gerar artigos científicos para publicação em revistas especializadas. Textos estes que poderão contribuir com a divulgação do NEEA.

  Será possível também criar uma página na web para que possam ser postados as atividades e eventos desenvolvidos pelo NEEA.

  O NEEA será uma contribuição para o fortalecimento da área de ensino, contribuindo com a formação de novos pesquisadores, colocando o Ifes e a EEEFM “Prof.ª Maria Trindade de Oliveira” como sendo um dos polos de promoção e reflexão sobre a Educação Ambiental no município e região.

Caracterização da proposta

  O projeto PIC-JR NEEA é parte de um projeto mais amplo denominado Educação Ambiental em espaços formal e não formal que faz parte dos trabalhos do Grupo de Pesquisa e Prática em Educação Ambiental do Ifes – Campus Ibatiba. 

  A Educação Ambiental surge com a preocupação de estabelecer uma "nova aliança" entre a humanidade e a natureza, que não seja sinônimo de autodestruição (Reigota, 1994). Caracterizando-se por incorporar as dimensões: socioeconômica, política, cultural, ecológica e ética, não podendo se basear em pautas rígidas e de aplicação universal. Portanto, deve considerar as condições de cada país, região e comunidade, sob uma perspectiva histórica, conforme Dias (1998). 

  Por essa razão, a importância da Educação Ambiental tem sido consideravelmente reforçada. Muitos esforços têm sido realizados para divulgar conceitos ligados ao ambiente, principalmente aqueles ligados à sua importância para o bem estar do homem e a necessidade de sua preservação. Também pode ser vista como um novo projeto pedagógico que quer construir uma grande mudança de valores e de posturas educativas; tendo como um dos maiores desafios aliar-se à educação dos afetos (sensibilização), que forma pessoas conscientes e sensíveis, a uma educação para a cidadania, que forma sujeitos atentos aos problemas socioambientais capazes de participar nas decisões da sociedade. 

  A criação de espaços informativos e educativos que almejam promover o enraizamento da educação ambiental nos municípios e regiões pretende que as comunidades tenham acesso a informações ambientais, também a atividades e eventos de caráter ecológico e cultural, dentre outras ações e processos educacionais voltados à questão ambiental (MMA, 2004). 

A implantação do projeto NEEA promoverá o desenvolvimento de estudos voltados para a identificação dos grandes entraves da região, nos âmbitos econômico, social e ambiental. Terá como diretrizes a reflexão crítica sobre a questão ambiental, de forma a rever a relação entre homem/natureza, considerando uma reinterpretação global das relações socioeconômicas, políticas e culturais e seus impactos no meio ambiente; a adoção de propostas pedagógicas e metodológicas que efetivam o processo educativo voltado para a promoção da identidade comunidade/meio e para o estímulo às interfaces institucionais e multidisciplinares, numa perspectiva de integração entre saber formal e o saber não formal; a centralização das informações com o objetivo de captar, assessorar, divulgar e consolidar um banco de dados em educação ambiental; a divulgação de informações sobre questões ambientais, através dos meios de comunicação, contribuindo para a formação de uma consciência crítica.

  O município de Ibatiba está situado no Sul do Estado e localiza-se a 171 quilômetros da capital do estado. Sua localização é parte da região do Parque Nacional do Caparaó, conhecido nacionalmente por abrigar o Pico da Bandeira (2891,98 metros), onde a ocupação desordenada e o uso inadequado do meio ambiente são aspectos negativos que se destacam no cotidiano regional, contribuindo com o desmatamento, erosão do solo, assoreamento dos curso d’água e queimadas. Com 21.909 habitantes (IBGE, 2006) e 241 km² de área territorial, sua principal atividade econômica é a agricultura, representada pelo cultivo do café, iniciado no século XIX. A economia municipal relacionada com o cultivo do café absorve mão-de-obra de aproximadamente 6000 pessoas (INCAPER, 2003). Inserido nesta atividade econômica do município está uma relação estreita do uso do solo e das águas da região. O relevo do município é montanhoso, com solos classificados como Latossolo Vermelho Amarelo Distrófico. A vegetação do município é composta por Floresta Ombrófila Densa, Floresta Estacional Semidecidual, vegetação secundária sem palmeiras e pastagem. 

  Frente à dependência dos recursos naturais para produção de suas riquezas, torna-se necessário uma mudança de postura com relação ao uso desses recursos, utilizando-se técnicas que sejam ambientalmente corretas, o que não tem sido feito por falta de orientação e acompanhamento técnico, tarefa esta que poderá ser feita pelo Núcleo de Estudos em Educação Ambiental, através da identificação das demandas, uma vez que a compreensão e adoção de técnicas sustentáveis é trabalho de educação ambiental.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Referências bibliográficas sobre Educação Ambiental


"Coloco aqui uma bibliografia sobre educação ambiental: livros, artigos, textos, vídeos sobre o tema.
Como é um tema que estudo e me interesso há muitos anos, acabo encontrando por aí muitas coisas, o que gostaria de partilhar com vocês, que também sejam interessados no mesmo."
Vale lembrar que todo o conteúdo aqui descrito é apenas uma referência do Blog "Diário do Professor" por  Declev Reynier Dib-Ferreira, sendo assim, todo o crédito é dado ao mesmo.
Este post está na categoria Educação Ambiental, o que facilitará a sua busca na hora de pesquisá-lo aqui no blog.
Divirtam-se:

BERNA, Vilmar. Como fazer educação ambiental. São Paulo: Paulus, 2001. 142 p.
BOER, N. Educação ambiental na escolaCiência & Ambiente, Santa Maria, Universidade Federal de Santa Maria, p. 91-101, jan./jun. 1994.
BONA, L.E. Educação ambiental para conscientizar pequenos cidadãosEcos: revista quadrimestral de saneamento ambiental, Porto Alegre, Prefeitura de Porto Alegre, DMAE, v. 6, n. 15, p. 34-35, jul.1999.
BRANDÃO, Zaia (org.). A crise dos paradigmas e a educação. São Paulo: Cortez Editora, 2007.
BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Coordenação de Educação Ambiental. A implantação da Educação Ambiental no Brasil. Brasília,1998. 166 p.
BRÜGGER, Paula. Educação ou adestramento ambiental? Florianópolis: Letras Contemporâneas, 1999. 159 p.
CASCINO, Fábio; JACOBI, Pedro; OLIVEIRA, José Flávio.Educação, Meio Ambiente e Cidadania: reflexões e experiências. São Paulo: SEMA/CEAM, 1998. 122 p.
CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Qual educação ambiental? : elemento para um debate sobre educação ambiental e extensao ruralRevista da EMATER. Rio Grande do Sul. -Porto Alegre : EMATER/RS, Porto Alegre, 2001. v. 2, n.2. – p. 43-51.
CARVALHO. Isabel Cristina de Moura. A invenção ecológica: narrativas e trajetórias da educação ambiental no Brasil.Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2001. 229 p. (Coleção Novos Estudos Rurais)
CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Em direção ao mundo da vida: interdisciplinaridade e educação ambiental. Brasília: IPE, 1998.102p. (Cadernos de Educação Ambiental, 2)
CARVALHO, Vilson Sérgio de. Educação ambiental e desenvolvimento comunitário. Rio de Janeiro, RJ: WAK, 2002.
COIMBRA, José de Ávila Aguiar. O outro lado do meio ambiente. São Paulo: CETESB, 1985.
DIETZ, Lou Ann; TAMAIO, Irineu, . Aprenda fazendo : apoio aos processos de educação ambiental / Brasília : WWF Brasil, 2000.386 p.
DIAS, G. F. Atividades interdisciplinares em EA. São Paulo: Ed. Global, 1994.
DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 2. ed. São Paulo: Gaia, 1993. 400 p.
DIB-FERREIRA, Declev Reynier. As diversas visões do lixo. Dissertação de mestrado. UFF: Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental, 2005.
DIB-FERREIRA, Declev Reynier. A pedagogia de projetos e a educação ambiental na escola – uma experiência. In Ambiente & Educação. Revista de Educação Ambiental. Fundação Universidade do Rio Grande. Rio Grande, RS: Editora da Furg, v.7, 2002.
DI CIOMMO, Regina C. Ecofeminismo e Educação Ambiental.São Paulo: Cone Sul & UNIUBE, 1999. 264 p
ESTEVA PERALTA, Joaquim. Educación popular ambiental hacia una pedagogia de la apropiación del ambiente: la complejidad ambiental. México : 2001.
FERNANDES, V. A natureza como sala de aula. Folha do Meio Ambiente, Brasília, Forest Cultura Viva e Promoções Ltda, v. 9, n. 86, p. 910, set.2000
GRANADOS SANCHEZ, Diodoro. Destrucción del planeta y educación ambiental. México : Universidad Autonoma Chapingo, 1995. 200 p.
GROSSI, E.P. Educação ambiental: e construtivismo pós-piagetiano.Ciência & Ambiente, Santa Maria, Universidade Federal de Santa Maria, p. 101- 108, jan./jun.1994.
GRÜN, Mauro. Ética e Educação Ambiental: a conexão necessária. São Paulo: Papirus, 1996.
GUIMARÃES, M. Educação Ambiental. Duque de Caxias: Editora UNIGRANRIO, 2000, 61p. (Coleção Temas em Meio Ambiente, n.1)
GUIMARÃES, M. Educação Ambiental: no consenso, um embate? São Paulo: Papirus, 2000.
GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. 4. ed. São Paulo: Papirus, 2001.
GUTIÉRREZ, Francisco; PRADO, Cruz. Ecopedagogia e cidadania planetária. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 1999. 128 p.
IBAMA. Educação para um futuro sustentável: uma visão transdisciplinar para ações compartilhadas / UNESCO. Brasília: Ed. IBAMA, 1999. 118 p.
ISAIA, Enise Bezerra Ito (org). Reflexões e práticas para desenvolver a educação ambiental na escola. Santa Maria: Ed. IBAMA, 2000. 998 p.
KRASILCHIK, M. Educação ambientalCiência & Ambiente. Santa Maria, Universidade Federal de Santa Maria, p. 71-79, jan./jun. 1994.
LAYRARGUES, Philippe Pomier (coord.). Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.
LOUREIRO, C. F. B. et al Educação Ambiental e gestão participativa em unidades de conservação. 3° ed. (revisada e atualizada). Rio de Janeiro: IBAMA, 2008. (disponível em www.ibama.gov.br/rj)
LOUREIRO, C., LAYRARGUES, P. P., CASTRO, R. S. C. (orgs.). Pensamento Complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2006.
LOUREIRO, Carlos Frederico, LAYRARGUES, Philippe Pomier & CASTRO, Ronaldo Souza de. (orgs.) et al. Sociedade e meio ambiente: educação ambiental em debate. São Paulo: Cortez, 2000. 183p. 
LOUREIRO, Carlos Frederico, LAYRARGUES, Philippe Pomier & CASTRO, Ronaldo Souza de. (orgs.)Educação Ambiental : repensando o espaço da cidadania. São Paulo, Cortez, 2002
MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado do Meio Ambiente.Manual de Educação Ambiental: textos e atividades de apoio. Campo Grande, 1996. 56p.
MATSUHIMA, K. (org.). Educação Ambiental. São Paulo: CETESB, 1988.
MEDINA, N.M.; SANTOS, E. da C. Educação ambiental: uma metodologia participativa de formação. Petrópolis: Vozes, 2000. 231p.
MEYER, M.A. de A. Educação ambiental: e (des)envolvimento.Ciência & Ambiente. Santa Maria, Universidade Federal de Santa Maria, p.53-70, jan.jun.1994.
MULLER, J. Educação Ambiental: diretrizes para a pratica pedagógica. Porto Alegre: FAMURS, 1998. 146p.
NOAL, F.O. (org.) et al. Tendências da educação ambiental brasileira. 2.ed. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2000. 263p.
OLIVEIRA, E. M. Educação Ambiental; uma abordagem possível. Brasília: IBAMA, 1998, 154p. (Coleção Meio Ambiente, Série Estudos Educação Ambiental n.1)
PADUA, S.; TABANEZ, M. (orgs.). Educação Ambiental: caminhos trilhados no Brasil. Brasília: IPE/FMNA, 1997. 283 p.
PEDRINI, AG. (org.) Educação Ambiental; Reflexões e Práticas Contemporâneas. Petrópolis, Vozes, 4 ed., 2001.
PEDRINI, AG. (org.) O Contrato Social da Ciência, unindo saberes em Educação Ambiental. Petrópolis, Vozes, 2002.
PELIZZOLO, M.L. A emergência do paradigma ecológico: reflexões ético-filosóficas para o século XXI. Petrópolis: Vozes, 1999. 160 p. (Coleção Educação Ambiental)
PENTEADO, H. Meio Ambiente e formação de professores. São Paulo: Cortez Editora, 1994. 120 p. (Questões da nossa época v.38)
PRO-GUAIBA. Subprograma Sistemas de Manejo e Controle da Contaminação por agrotóxicos. Educação ambiental não formal. Porto Alegre: EMATER/RS, 1995. 115p. (PROGUAIBA. Manual Técnico, 4)
QUINTAS, José da Silva (org.) Pensando e praticando a educação na gestão do meio ambiente. Brasília: IBAMA, 2000. 161 p. (Coleção Ambiente. Série estudos Educação Ambiental)
REIGOTA, M. O que é educação ambiental? São Paulo:, Brasiliense, 1994. 62 p. (Coleção Primeiros Passos, n. 292)
REIGOTA, M. Meio ambiente e representações sociais. São Paulo: Cortez.
REIGOTA, Marcos A Floresta e a Escola – por uma educação ambiental pós-moderna. São Paulo: Cortez, 1999. 167 p.
RODRIGUES, Vera Regina (coord.). Muda o mundo Raimundo: Educação Ambiental no ensino básico do Brasil. Brasília: WWF/FNMA/MEC, 1986. 188p.
SANTOS, José Eduardo; SATO, Michèle. A contribuição da Educação Ambiental à esperança de Pandora. São Carlos: Rima, 2001. 595 p.
SANTOS, José Eduardo; SATO, Michele; PIRES, José Salatiel & MAROTI, Paulo Sérgio. Environmental Education in Practice.Gestión Ambiental, Vol. 6: 73-86, 2001. Valdivia: CEA Educiones (ISSN 0717-4918).
SÃO PAULO. Secretaria de Meio Ambiente. Conceitos para se fazer Educação Ambiental. São Paulo: COEA/SEMA, 1999, 112 p. (Cadernos de Educação Ambiental).
SATO, Michèle. Educação ambiental. São Carlos: EdUFSCar, 1996.
SATO, Michèle & SANTOS, José Eduardo. Agenda 21 em sinopse. São Carlos: EdUFSCar, 1999.
SATO, Michèle (Coord.) et al. Ensino de ciências e as questões ambientais. Cuiabá: NEAD, UFMT, 1999.
SATO, Michèle; TAMAIO, Irineu; MEDEIROS, Heitor. Reflexos das cores amazônicas no mosaico da educação ambiental. Brasília: WWF-Brasil, 2002.
SATO, Michèle. Debatendo os desafios da educação ambiental. InRevista Eletrônica de Mestrado em Educação Ambiental. Rio Grande: FURG, 2001, R14-R33p.http://www.sf.dfis.furg.br/mea/remea/index.htm
SATO, Michèle; MONTEIRO, Silas; ZAKREZSKI, Cláudio & ZAKREZSKI, Sônia. Ciências, filosofia e educação ambiental – links e deleites. In OLAM - Ciência e Tecnologia. Rio Claro: UNESP, ano I, 1(1): 133-159, 2001
SEGURA, Denise de Souza Baena. A Educação Ambiental na escola pública. São Paulo: Anablume, 2001.
SORRENTINO, M.; TRAJBER, R.; BRAGA, T. (Orgs.) Cadernos do III Fórum de EA. Porto Alegre: Editora Gaia, 1995. 245 p. (Coleção GaiaEcoar)]
TAMAIO, I.; SINICCO, S. Educador Ambiental: 6 anos de experiências e debates. Brasília: WWF, 2000. 52 p.
TAMAIO, Irineu ; CARREIRA, Denise (orgs.) Caminhos & aprendizagens Educação Ambiental, conservação e desenvolvimento. Brasília: WWF Brasil, 2000. 92 p.
TANNER, T. Educação Ambiental. São Paulo: Summus/EDUSP, 1978. 158 p.
TRAJBER, Rachel; MANZOCHI, Lucia Helena, . Avaliando a educação ambiental no Brasil : materiais impressos / São Paulo : Gaia, 1996.226 p
TRAJBER, R. (Org.); COSTA, L.B. da (Org.) Avaliando a Educação Ambiental no Brasil: materiais audiovisuais. São Paulo: Instituto Ecoar para Cidadania; Peiropolis, 2001. 156p.
TRISTÃO, Martha. Universidade, educação ambiental, qualidade de vida. In: PONTUSCHKA, N. (Org.). Um olhar sobre o Campus – São Paulo perspectiva socioambiental. São Paulo: Faculdade de Educação/ USP, 1999.
VIANA, Aurélio et alli. Educação ambiental: uma abordagem pedagógica dos temas da atualidade. São Paulo: Cedi, 1992.
ZEPPONE, Rosimeire M.O. Educação Ambiental: teorias e práticas escolares. Araraquara: JM Ed., 1999. 150 p.

domingo, 7 de outubro de 2012

Plano do projeto



   O Núcleo de Estudos em Educação AmbientalNEEA é um projeto criado com a finalidade de desenvolver estudos, capacitação e produção de conhecimento.
   O NEEA emerge da necessidade de integração de projetos em andamento, Projeto de Educação Ambiental Criança Consciente, na Escola Eunice Pereira da Silva e na Escola Marciano Amâncio Rodrigues; Projeto Construção da Agenda 21 no Campus Ibatiba e de ampliação de possibilidades temáticas como Produção Artesanal de Papel Reciclado e Conservação e Recuperação do Horto Florestal Municipal de Ibatiba com vistas a construir um grupo de estudos e pesquisa permanente em Educação Ambiental (EA), envolvendo toda a comunidade escolar.
   A ideia é a partir de uma parceria entre o IfesCampus Ibatiba e a EEEFMProf.ª Maria Trindade de Oliveira”, reunir alunos do ensino médio com professores/pesquisadores das duas instituições de ensino, para debater questões relacionadas à prática da Educação Ambiental em seus espaços a partir do estudo do seu Projeto Político Pedagógico e da experiência e prática do corpo docente.
Contará com atividades de estudo dos documentos referentes à Educação Ambiental, cursos de capacitação, debates e seminários, palestras e oficinas que viabilizem a interação dos participantes.

   O Projeto PIC-JR NEEA, que está previsto para ser desenvolvido durante o ano de 2012/2013, é parte de um projeto mais amplo denominado Educação Ambiental em espaços formal e não formal que faz parte dos trabalhos do Grupo de Pesquisa e Prática em Educação Ambiental do IfesCampus Ibatiba.

Projeto de educação ambiental financiado pela Fapes